em 


Opções Avançadas

Vida %26 Obra

 

Livros do Autor



CINCO MINUTOS

José de Alencar

Coleção L&PM Pocket
Ref. 62
96 páginas
ISBN 978.85.254.0733-7

R$ 13,90



IRACEMA

José de Alencar

Coleção L&PM Pocket
Ref. 74
128 páginas
ISBN 978.85.254.0683-5
Também em e-book

R$ 17,90



IRACEMA

José de Alencar

Coleção L&PM E-books
Formato ePub
128 páginas
ISBN 978.85.254.2181-4

R$ 8,90



LUCÍOLA

José de Alencar

Coleção L&PM E-books
Formato ePub
176 páginas
ISBN 978.85.254.2544-7

R$ 8,90



LUCÍOLA

José de Alencar

Coleção L&PM Pocket
Ref. 172
176 páginas
ISBN 978.85.254.0954-6
Também em e-book

R$ 21,90

Veja Mais

José de Alencar

José Martiniano de Alencar nasce no Ceará, em 1829, no final do Primeiro Reinado, de lá saindo para a Corte aos dez anos. No Rio de Janeiro, conclui seus estudos secundários, transferindo-se para São Paulo, onde cursa a Faculdade de Direito.

De volta ao Rio, entra em contato com a intelec­tua­lidade literária – nomes como Machado, Manuel Antônio de Almeida – e estréia como escritor no Correio Mercantil aos 25 anos. Imaginoso, empenhado na construção de uma literatura brasileira diferente da européia, provoca a famosa polêmica sobre a Confederação dos Tamoios, poema épico escrito por Gonçalves de Magalhães. Discordando do poeta, quando este afirma ser o poema a grande epopéia brasileira, Alencar, em 1857, publica, em resposta, O Guarani, verdadeira narrativa épica do Segundo Império.

Famoso devido ao sucesso desse romance, passa a dedicar-se mais intensamente ao gênero literário, bem como à política. Elege-se, seguidamente, deputado pelo Ceará, chegando a Ministro da Justiça. Homem de idéias conservadoras, sobretudo face ao problema escravista, termina por afastar-se da vida pública ao ser preterido por D. Pedro II na indicação para o Senado.

José de Alencar é considerado o consolidador da prosa nacional, sendo o nosso primeiro grande romancista. Sua obra, composta de vinte e um romances, é o retrato de sua postura ideológica: grande proprietário rural, conservador, monarquista e escravocrata, revela suas posições políticas por meio de um exagerado nacionalismo. No prefácio a Sonhos d’Ouro, afirma sua pretensão de fazer um grande painel literário do Brasil, exibindo-o por inteiro, de Norte a Sul, do sertão ao litoral, do passado ao presente, do urbano ao rural. Teoriza, inclusive, sobre a tentativa do estabelecimento de uma língua brasileira em seus escritos.

Quando, em 1856, Alencar publica seu primeiro romance, Cinco Minutos, já havia um público leitor brasileiro ávido por ficção. No entanto, tais obras eram, basicamente, traduzidas do francês, não constituindo, pois, um retrato de nosso povo. O escritor percebe, portanto, que poderia fazer um grande serviço à então incipiente cultura nacional ao publicar histórias que refletissem a psicologia e a sociedade pátrias, que captassem a nossa sensibilidade artística, que moldassem a nossa percepção do real por meio de informações sobre a natureza, a história, a sociedade, a cultura e os mitos do Brasil.

Por conseguinte, o enredo das obras alencarianas é muito eficiente nesse sentido. Quase didáticas, também buscam o entretenimento do leitor. E aí reside o valor de sua ficção: nela há tudo, desde o exercício etnográfico até a análise social e psicológica, entremea­dos de peripécias, heróis, heroínas e vilões. Sem perder a visão de conjunto de sua narrativa, José de Alencar afirma a supremacia da ficção sobre a chatice de detalhes históricos e geográficos. Ao apresentar personagens e situações quase inverossímeis, permite ao leitor um momento de puro lazer, para devolvê-lo pacificado a um final em que tudo se explica convenientemente por meio da imaginação.

A carreira literária pontuada de polêmicas não impede uma produção fértil. Nela, destacam-se Cinco Minutos, O Guarani, Lucíola, As Minas de Prata, Diva, Iracema, O Gaúcho, A Pata da Gazela, O Tronco do Ipê, Sonhos d’Ouro, A Guerra dos Mascates, Ubirajara, Senhora, O Sertanejo, Encarnação – seu último romance, visto que a tuberculose o vitima aos 48 anos.

Em suas obras classificadas como indianistas – O Guarani, Iracema e Ubirajara –, o escritor cearense recria o mito do bom selvagem de Rousseau em nosso indígena. Defensor da associação entre o nativo e o europeu colonizador, observa, nesse casamento, inúmeras vantagens para ambos os povos: enquanto aquele oferece a natureza virgem, este lhe dá, em troca a cultura. O produto dessa amálgama seria o Brasil independente.    

Ainda nos livros cuja temática é o índio, Alencar lança mão do amor espiritualizado, motivador de toda a trama. A pureza de sentimentos supera todos os obstáculos gerados por diferenças sociais. A natureza brasileira é o cenário do romance indianista. A paisagem, pintada pela poesia, é um recanto de salvação.

O herói alencariano – o índio mitificado – é esteio da nobreza originária do sangue, da natureza. Desde o tipo físico até o caráter, tudo nele remete à força selvagem, indômita e independente que brota da terra – própria matriz dos valores românticos. Tais traços evidenciam-se de maneira notável em O Guarani.

Obras de José de Alencar:

Romances:

1856 – Cinco Minutos
1857 – O Guarani, A Viuvinha
1862 – Lucíola
1864 – Diva
1865 – Iracema, As Minas de Prata (1o Volume)
1866 – As Minas de Prata (2o Volume)
1870 – O Gaúcho, A Pata da Gazela
1871 – O Tronco do Ipê, A Guerra dos Mascates (1o Volume)
1872 – Sonhos d’Ouro, Til
1873 – Alfarrábios (O Garatuja, O Ermitão da Glória, Alma de Lázaro), A Guerra dos Mascates (2o Volume)
1874 – Ubirajara
1875 – Senhora, O Sertanejo
1893 – Encarnação

Teatro:

1857 – O Crédito, Verso e Reverso, Demônio Familiar
1858 – As Asas de um Anjo
1860 – Mãe
1867 – A Expiação
1875 – O Jesuíta

Não-ficção:

1856 – Cartas sobre a Confederação dos Tamoios
1865 – Ao Imperador: Cartas Políticas de Erasmo, Novas Cartas Políticas de Erasmo
1866 – Sistema Representativo
1874 – Ao Correr da Pena
1893 – Como e porque sou Romancista

(Texto de Maria Tereza Faria, para a introdução dos livros de José de Alencar na Coleção L&PM POCKET)

Opinião do Leitor

"adoreiiii de mais essas obras"

mayara
francisco badaró

"adoreiiii de mais essas obras"

mayara
francisco badaró

"gosto muito dos seus trabalhos"

moises antonio
manaus-amazonas

voltar ir para o topo   imprimir página
 

Home    Quem Somos    Notícias    Mapa do Site    Fale Conosco    Podcast L&PM

Rua Comendador Coruja, 314 - Fone: (51) 3225.5777 - Fax: (51) 3221.5380 - Porto Alegre/RS - CEP 90220-180
Rua Funchal, 538, sala 183, 18º andar - Vila Olímpia – Fone (11) 3578.6606 - São Paulo/SP - CEP 04551-060

© 2003-2017 Publibook Livros e Papeis Ltda. - CNPJ 87.932.463/0001-70 - Powered by CIS Manager   Desenvolvido por Construtiva